» Cardiologia

» Infectologia

» Neurologia

» Pneumologia

» Reumatologia

» Hematologia

cardiologia

Dra. Ana Elisa Araújo Weiss
Dra. Daniele Coelho
Dr. Gilton Trevisan
Dr. José Antônio Pantarolli
Dr. Marcelo Pereira
Dr. Marcos Gomes
Dra. Maria Tereza Pantarolli
Dr. Paulo Braga
Dr. Rafael Davi Munhoz
Dra. Tana Belinatti

infectologia

Dra. Ciane Market

neurologia

Dr. Henry Koiti Sato
Dr. José Antônio Maingue
Dr. Luiz Macarini
Dr. Paulo Eduardo C. Da Silva

pneumologia

Dra. Orjana A. de Freitas

reumatologia

Dra. Melissa Corbellini

hematologia

Dr. Giorgio Roberto Baldanzi

» Cirurgia Vascular / Angiologia

» Cirurgia Plástica

» Cirurgia Geral

» Cirurgia Ortopédica e Trauma

» Cirurgia Pediátrica

» Cirurgia de Ouvido, Nariz e Garganta

» Cirurgia Urológica

» Cirurgia Ginecológica

» Cirurgia de Olhos

» Cirurgia Torácica

» Cirurgia Videolaparoscópica

» Cirurgia Geral e Oncologia

» Cirurgia Geral e Proctologia

» Anestesiologia

cirurgia vascular / angiologia

Dra. Adriana B. De F. Brandão
Dr. Alexandre Bley
Dr. Augusto Sampaio Filho
Dr. Cristiano Marcos D’Alcantara Schmitt
Dr. Danilo R. Fodel Gaio
Dr. Fabiano Bittencourt
Dr. Fabiano Luiz Erzinger
Dra. Melissa V. Borges
Dr. Nerlan Carvalho
Dra. Patrícia Bittencourt
Dra. Renata Correia Pulig

cirurgia plástica

Dr. Antônio José Dourado
Dr. Ciro Braz Portugal
Dr. Fernando P. Tenius
Dr. Sandro P. Beira
Dr. Walter José Matner
Dr. Waldir Braga

cirurgia geral

Dra. Danielle Duck
Dr. Guilherme Coelho
Dr. Imad Izat El Tawil
Dr. Nicolau Gregori Czeczko
Dr. Ubirajara Araújo

cirurgia ortopédica e trauma

Dra Andréa Palazzo
Dr. Bráulio Moreira Júnior
Dr. Cadri Massuda
Dr. Gustavo Petros
Dr. Halan Girardi Presa
Dr. Jesuan Jorge Buso
Dr. Marcel Benato
Dr. Marcelo Erico Schiavon
Dr. Marcelo Wada
Dr. Márcio Pozzi
Dr. Márcio Alexandre Schiavon
Dr. Raul Viana Neto
Dr. Wagner Miyadi

cirurgia pediátrica

Dr. Hugo Morais
Dr. Marcelo Ribas Alves

cirurgia de ouvido, nariz e garganta

Dra. Andréia Kurahashi
Dr. Carlos Felipe Carreno
Dr. Celso Vidolin
Dr. César Pacheco Guedes
Dr. Guilherme S. Catani
Dra. Márcia Leila Brotto
Dr. Rodrigo Hamer Schmidt

cirurgia urológica

Dr. Carlos Ricardo Bostelmann
Dr. Darwin T. Schiwku
Dr. Davi Kulysz
Dr. Davi B. Borudowinsky
Dr. Luciano Stunitz
Dr. Paulo Rocha
Dr. Roberto Pilati
Dr. Samir Haurani
Dr. Vicente Letti Júnior

cirurgia ginecológica

Dr. Amilton Salmoria
Dr. Carlos Sprengel
Dr. Celeste Paulina Demeterco
Dr. Edson Tristão
Dr. Eduardo Egydio de Oliveira
Dr. Geci Labres de Souza
Dr. João Francisco L. Gondek
Dr. Joel Temporal
Dra. Laura de Hollanda
Dr. Luiz Antônio Thereza
Dra. Marion Figueiredo
Dr. Ricardo S. Schwarz
Dra. Simone Z. Rodrigues

cirurgia de olhos

Dr. Pablo Carrero
Dr. Fábio Ceccon

cirurgia torácica

Dr. Carlos Hespanha

cirurgia videolaparoscópica

Dr. Gilton Ângelo Guilgen
Dr. Nicolau Gregori Czeczko

cirurgia geral e oncologia

Dr. Danilo A. Stremel Andrade
Dr. Gilton Ângelo Guilgen

cirurgia geral e proctologia

Dr. Arthur Kubiak Filho
Dra. Juliana Santin

anestesiologia

Responsável pelo Serviço:
Dr. Luiz Carlos Barreto César Júnior
Dr. André Tuma de Carvalho
Dr. Cid Kaoru Sakassegawa
Dr. José Carlos dos Santos B. Júnior
Dr. Marcelo R. Carraro
Dr. Mauricio R. Carraro
Dr. Ricardo Wagner

Mensalmente, diversos cirurgiões plásticos altamente capacitados utilizam nosso centro cirúrgico para efetuar as cirurgias de seus pacientes.

As cirurgias plásticas que realizamos com maior freqüência são:

» Correção das Pálpebras

» Rejuvenescimento Facial

» Correção do Nariz

» Correção do Queixo

» Plástica Abdominal
» Lipoaspiração e Lipoescultura

» Aumento de Seios

» Redução de Seios

» Peeling Facial


correção do queixo

MENTOPLASTIA DE AUMENTO

Cirurgia do Queixo

O queixo (mento) constitui um dos principais pontos de referência no estudo estético da face.

O queixo ideal deverá observar um posicionamento dentro de certos limites estéticos, fazendo um conjunto harmônico juntamente com outros setores como o nariz, olhos, boca, etc.

Poderá se apresentar situado em posição mais avançada ou mais retraída, em relação ao seu posicionamento. Para ambos os casos existem correções cirúrgicas. A Mentoplastia mais comum é aquela que visa corrigir o retro-posicionamento (queixo retraído), através da inclusão de uma peça de silicone. Assim é que infalivelmente certas perguntas serão feitas, merecendo como conseqüência respostas simples e objetivas, tais como:

Onde se localizam as cicatrizes?

Poderá ser feita uma cicatriz interna (dentro da boca) ou mediante uma pequena incisão na parte inferior do queixo. Ficará a critério de cada cirurgião plástico a indicação da cicatriz.

Qual o tipo de anestesia?

Geralmente esta cirurgia é indicada em pacientes adultos. Se se tratar de correção exclusivamente do mento, a anestesia é a local (com ou sem sedação prévia, dependendo do caso). Se associada a outras cirurgias, o cirurgião ponderará quanto à conveniência de se realizar o ato cirúrgico sob anestesia local ou geral.

Como é a peça de silicone que será introduzida?

O cirurgião geralmente modela a peça ou se utiliza de peças pré-moldadas (existem vários tamanhos, que poderia ser apresentadas ao (à) paciente durante as entrevistas pré-operatórias.

O silicone é perigoso? Não poderá ocasionar câncer?

Há mais de 35 anos vem sendo empregado o silicone na forma sólida, em todo o mundo, com milhares de pacientes operados, sem que se tenha assinalado a presença de ação cancerígena do silicone. Trata-se de substância inerte ao organismo e que se mantém em seu lugar de introdução, dentro de uma cápsula fibrosa que o próprio organismo se encarrega de elaborar, logo nos primeiros dias. Raros são os casos de eliminação da peça. Quando isto acontece (geralmente devido a problemas no pós-operatório imediato por infecção, traumatismo sobre a área operada, hemorragia, etc.), retira-se a peça mediante simples cirurgia sob anestesia local, sem ficar qualquer seqüela. Posteriormente poderá ser re-introduzida nova peça. O Silicone, na forma líquida, é condenado para uso médico.

Há dor no pós-operatório?

Geralmente não. Mesmo que ocorra um discreto desconforto, poderemos neutralizá-la com o uso de analgésicos comuns.

E os curativos?

Costuma-se fazer um tipo de curativo local de manutenção com fins de ajudar a manter a prótese fixada. Além do mais, este curativo serve de proteção a eventuais traumatismos que possam ocorrer nos primeiros dias.

Quantos dias deverei ficar de repouso?

Dependendo da atividade, apenas 1 dia. Casos especiais poderão determinar cuidados relativos por 4 a 5 dias, sem contudo necessitar-se de repouso absoluto.

Qual o maior cuidado que se deve tomar antes da operação?

Informar ao seu cirurgião plástico quanto à intercorrência de algum dente, principalmente da arcada inferior, infeccionado ou inflamado. Caso ocorra esta eventualidade, solicite de seu dentista que a trate, antes mesmo de procurar seu médico para a cirurgia de Mentoplastia de aumento.

Minha fisionomia mudará muito com esta cirurgia?

Não deverá ocorrer grandes alterações fisionômicas. Apenas haverá um melhor equilíbrio de sua fisionomia, mantendo suas características individuais.

Esta cirurgia poderá ser associada à Rinoplastia?

Em muitos casos o próprio cirurgião recomenda a associação das duas cirurgias, visando um melhor equilíbrio estético da face.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A MENTOPLASTIA ESTÉTICA

Pré- Operatório

Comunicar-se com seu cirurgião plástico, até a véspera da cirurgia, em caso de viroses, infecções dentárias, afecção da garganta, etc.
Internar-se no hospital ou clínica especializada, no dia e hora indicados na guia de internação.
Em caso de anestesia geral, manter o jejum. Se for anestesia local, permite-se refeição leve até 6 horas antes da cirurgia.
Comparecer acompanhado à internação.

Pós- Operatório

Evitar friagem, sol e traumatismos locais no pós-operatório. Retornar ao consultório nos dias e horários estabelecidos.
Retornar ao consultório nos dias e horários estabelecidos.
Escovar os dentes com escova macia.
Obedecer à prescrição médica.
Não se preocupar com o "inchaço" natural do queixo, que poderá persistir por algumas semanas.
Evitar alimentos sólidos que exijam mastigação intensa nos primeiros dias. Alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos) e vitaminas (frutas).

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

rejuvenescimento facial

RITIDOPLASTIA

Cirurgia de Rejuvenescimento Facial

Perguntas e respostas sobre a cirurgia de rejuvenescimento facial:

Quantos anos vou rejuvenescer?

Não é possível, através da cirurgia, transformar uma face de 40 anos em outra de 20. Apesar disto parecer óbvio é importante frisá-lo pois certas informações errôneas são transmitidas por leigos desinformados ou pela Mídia distorcida, fazendo alguns pacientes acreditarem na possibilidade de se fazer "o relógio do tempo" ser retardado conforme sua vontade. Nenhum cirurgião plástico logrará este intento.

Como ficarão as cicatrizes? Desaparecerão?

A cirurgia plástica visa melhorar o aspecto da flacidez, rugas, sulcos, etc., dando assim um rejuvenescimento à face. As cicatrizes, entretanto, serão permanentes, apesar de irem se tornando cada vez menos visíveis com o decorrer do tempo. Enquanto isto não ocorre, recursos cosméticos como a maquiagem e penteados adequados disfarçam perfeitamente o inconveniente criado pelas cicatrizes recentes. Além disso, cada paciente comporta-se diferentemente de outro, em relação à evolução das cicatrizes, podendo, mesmo, em certos casos, tornar-se praticamente invisível o seu vestígio. Apesar desta advertência prévia, muitos pacientes costumam olvidar-se dos detalhes que são transmitidos durante a consulta inicial e passam a preocupar-se especificamente com a presença das cicatrizes, no período pós-operatório imediato e mediato. Esperamos que V. não seja um deles e consulte a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, através se seu site na Internet . Pruridos (coceiras), ardor ou insensibilidade poderão ocorrer eventualmente sobre as cicatrizes. Isto será temporário e tenderá a desaparecer.

Por quanto tempo persiste o resultado?

A cirurgia da face, pescoço e pálpebras retarda visualmente o processo de envelhecimento desses territórios. Retarda mas não interrompe o processo evolutivo do organismo". Em alguns casos, há necessidade de retoques ou complementos, após certo tempo.

A cirurgia do rejuvenescimento facial (rugas) é considerada como "pequena" ou "grande cirurgia"? há risco nesta operação?

Raramente a cirurgia de rejuvenescimento determina sérias complicações. Entretanto, sendo um procedimento cirúrgico, ocasionalmente poderão ocorrer imprevistos na evolução. Felizmente, isto geralmente é passível de correções posteriores, mediante revisões cirúrgicas, permitindo-nos obter o resultado almejado. Não existe qualquer obrigatoriedade do cirurgião em intervir posteriormente (retoques, correções ou complementações), desde que a seqüela não se deva a imperícia , negligência ou imprudência profissional.

As fotografias pré e pós-operatórios são importantes?

Evidentemente; a única maneira de se avaliar o resultado obtido é a comparação entre as fotografias pré e pós-operatórias, realizadas sob condições fotográficas idênticas nesses 2 períodos. As fotografias dos(as) pacientes fazem parte integrante de seus prontuários médicos.

Que tipo de anestesia é utilizada para a operação?

Tanto a anestesia geral quanto a local ou a associada são utilizadas, dependendo de cada caso. Seu cirurgião deverá sugerir-lhe a mais conveniente. O resultado final será o mesmo.

Quanto tempo demora o ato cirúrgico?

Em caso de cirurgia completa, envolvendo face, pálpebras e pescoço, o ato cirúrgico poderá se estender a 3 ou 4 horas, dependendo do caso. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

Qual o tempo de internação?

Meio período até vinte e quatro a trinta e seis horas, de acordo com a necessidade de cada caso, sempre levando-se em conta o conforto e segurança do paciente.

São utilizados curativos?

Sim. Geralmente são utilizados curativos secos. O grande curativo é retirado em torno das primeiras 24 horas, podendo ficar apenas um curativo leve sobre as cicatrizes residuais, após esse período.

Os olhos ficam ocluídos no pós-operatório?

Não obrigatoriamente. Poderá ser recomendada a aplicação de compressas de algodão embebido em água fria sobre os olhos, ou conduta similar, que podem ser trocadas conforme o paciente o deseje. Isto diminui a intensidade do edema pós-operatório sobre os olhos.

Há dor, no pós-operatório?

O pós-operatório geralmente não apresenta problema de dores, desde que o(a) paciente observa as recomendações do cirurgião. Ocasionalmente poderá ocorrer discreta dor, que poderá ser perfeitamente sedada com analgésico de linha comum.

Quando são retirados os pontos?

A maioria dos pontos das pálpebras é removida após 48 a 72 horas. Os remanescentes (face, pescoço, couro cabeludo), entre 8 e 12 dias.

Quando poderá ser utilizada maquiagem?

Para as pálpebras, 3 dias após a retirada dos pontos. Na face, em torno do 5o. dia. Seu cirurgião poderá fornecer-lhe maiores detalhes a esse respeito.

Quando poderão ser lavados e penteados os cabelos?

Entre o segundo e o sétimo dia pós-operatório poderão ser lavados e penteados os cabelos (com certo cuidado). Para secá-los utiliza-se secador manual com ar discretamente aquecido. As tinturas somente deverão ser utilizadas após a 3ª semana.

O "corte de cabelo" preparatório para a cirurgia é muito extenso? Poderá ser disfarçado no pós-operatório?

Os cabelos são cortados somente naquelas áreas onde se planeja localizar as cicatrizes. No pós-operatório imediato, este inconveniente poderá ser perfeitamente disfarçado, com penteado adequado.

Qual a evolução pós-operatória?

Você não deve se esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases evolutivas são características deste tipo de cirurgia. Assim é que edemas (inchaço), "manchas" de infiltrado sanguíneo, hipersensibilidade de algumas áreas, insensibilidade de outras, são comuns a todos os pacientes; evidentemente, alguns pacientes apresentarão estes fenômenos com menor intensidade que outros. Esperamos que você esteja neste grupo. Caso não esteja, não se preocupe. Dê tempo ao tempo, que o seu organismo se encarregará de dissipar todos estes pequenos transtornos que, infalivelmente, chamarão a atenção de alguma pessoa estranha, que não se furtará à observação: "Houve alguma complicação? Será que isto vai desaparecer?" É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Daremos esclarecimentos necessários para sua tranqüilidade. Em tempo: Um curto período de "depressão emocional" poderá ocorrer nos primeiros dias, devido ao aspecto transitório. Isto é passageiro e geralmente advém da "ansiedade em ser atingir o resultado final o quanto antes". Tenha paciência. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia de rejuvenescimento facial deverá ser avaliado antes dos 3 meses pós-operatórios.

Para finalizar: o resultado da cirurgia de rejuvenescimento compensa?

Cada caso é analisado individualmente, durante a 1ª consulta. Algumas pacientes procuram, com esta cirurgia, ficar "mais bonitas". Este não é o objetivo fundamental da cirurgia, mas apenas um efeito a mais a que se busca. Nessa ocasião, o cirurgião deve esclarecer sobre todos os detalhes aqui relatados, bem como aqueles eventualmente esquecidos. Desde que tenha-se decidido mutuamente a realizar a cirurgia (médico e paciente) é porque o resultado compensa. Caso contrário, a cirurgia deverá ser recusada.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA DO REJUVENESCIMENTO FACIAL

Pré- Operatório

Comparecer ao consultório nas vésperas da cirurgia, para preparação do cabelo (confirmar horário com a enfermaria).
Lavar os cabelos, na véspera da operação com produto próprio para os cabelos.
Obedecer às instruções dadas para a internação.
Comunicar qualquer anormalidade que eventualmente ocorra, quanto ao seu estado geral.
Não fazer maquiagem no dia da internação.
Na eventualidade de internar-se no mesmo dia da operação, vir "em jejum" e não trazer objetos de valor pra o hospital.
Vir acompanhado (a) para se internar.

Pós- Operatório

Evite molhar os curativos do couro cabeludo por 24 horas.
Compressas com água fria sobre os olhos poderão ser úteis para diminuir o tempo de edema e proporcionar certo conforto pós-operatório.
Alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos) e vitaminas (frutas).
Usar óculos escuros, quando na claridade e no vento.
Em caso de pacientes do sexo feminino, um lenço nos cabelos poderá deixá-la mais à vontade.
Evitar sol, vento e friagem, por 8 dias.
Obedecer à prescrição médica.
Voltar ao consultório para curativo, no dia estipulado.
Consultar seu cirurgião plástico, sempre que necessitar maiores informações quanto à sua evolução pós-operatória.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

correção do nariz

RINOPLASTIA

Cirurgia de Nariz

Perguntas e respostas sobre a cirurgia de nariz:

A Rinoplastia deixa cicatrizes?

Certos narizes permitem que as cicatrizes fiquem escondidas dentro da cavidade nasal. Nestes casos, não haverá cicatriz aparente.. Em outros casos, entretanto, existem cicatrizes externas pouco aparentes, como conseqüência de incisões (cortes) feitos na columela ou nas asas nasais. Nestes casos, impõe-se a colocação destas cicatrizes externas (pouco visíveis), para se proporcionar um melhor resultado à forma final ou mesmo à fisiologia nasal.

Poderei escolher, para o meu futuro nariz, a forma que eu desejar?

Não. Existe um equilíbrio estético entre o nariz e a face, equilíbrio este que o cirurgião deve observar, a fim de preservar a naturalidade e autenticidade dessa face. Cada caso é estudado minuciosamente, a fim de que se possa dar ao nariz a melhor forma possível, dentro das exigências da face. Se a sua escolha coincidir com aquele tipo de nariz planejado, sem dúvida seu desejo será atendido. Cirurgião e paciente deverão estar de acordo com o resultado possível de se obter.

O resultado definitivo em relação à forma e função é imediato?

Não. Várias fases são características do pós-operatório do nariz. Assim é que, numa 1ª fase (logo após a retirada do gesso, em torno o 7º dia), apesar de corrigidos vários defeitos estéticos do nariz original, notamos um edema (inchação) que vai diminuindo com o passar dos dias e que tende a se normalizar em torno do 6º mês. Existem pacientes que atingem o resultado definitivo um pouco antes, bem como outros que ultrapassam este período. A persistência ou não do edema transitório por um período mais longo que o normal geralmente não interfere no resultado final.

Como ficará minha respiração após a cirurgia?

A Rinoplastia também, visa, se possível, melhorar as condições respiratórias do paciente, quando estas condições são precárias no nariz original. Apesar de haver alguma dificuldade respiratória no pós-operatório mediato (algumas semanas), isto se deve ao fato do "edema" também existir na parte interna do nariz, assim como o movimento de "válvula respiratória" fica prejudicado nesse período, por alteração da elasticidade das asas. Com o decorrer do tempo tende a normalizar-se. Problemas respiratórios poderão estar ligados ao septo que, em certos casos, poderá ser corrigido no mesmo tempo cirúrgico. Quando a correção do septo demanda cuidados especiais, a Rinoplastia deverá ser feita numa segunda oportunidade, após ter sido corrigido o septo.

Sofro de coriza constante. Poderá a cirurgia estética aliviar-me deste sofrimento?

A prática nos mostra que, em alguns casos, após realizada a Rinoplastia os sintomas crônicos que vinham incomodando o paciente há anos, poderão ser minimizados ou mesmo desaparecer. Isto, entretanto, não poderá ser assegurado para todos os casos. O importante é esclarecer que as funções respiratórias deverão ser preservadas após a Rinoplastia.

Por quanto tempo persiste o resultado obtido?

O resultado de uma Rinoplastia persiste por longo tempo. Após alguns anos, como em qualquer parte do organismo, poderão ocorrer algumas alterações morfológicas na região nasal.

A Rinoplastia é considerada como sendo uma cirurgia "pequena" ou "média" ? E as complicações?

Raramente a Rinoplastia determina sérias complicações. Entretanto, sendo um procedimento cirúrgico, ocasionalmente poderão ocorrer imprevistos na evolução. Felizmente, esses eventuais imprevistos são passíveis de correções posteriores, mediante revisões cirúrgicas, em pró do resultado planejado. Os possíveis "imprevistos" não devem ser confundidos com as formas intermediárias pelas quais passa o nariz, no pós-operatório mediato, até que atinja sua forma definitiva. Quaisquer dúvidas a respeito de uma possível complicação pós-operatória serão esclarecidas pelo seu cirurgião, que se antecipará a informá-lo (a) a respeito disto, sem qualquer constrangimento.

Qual o tipo de anestesia que se utiliza para a operação?

Tanto a anestesia local quanto a geral ou a associada serão utilizadas. Ficará critério de cirurgião e paciente decidirem qual o mais indicado em cada caso.

Quanto tempo demora o ato cirúrgico?

Entre 1 e duas horas. Em alguns casos este tempo é ultrapassado, desde que as circunstâncias assim o exijam. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

Qual o tempo de internação?

Poderá variar de meio período até 1 dia de internação. Tudo dependerá do tipo de anestesia utilizada e da recuperação do paciente no pós-operatório imediato. Seu médico procurará determinar o tempo de internação, sempre visando seu maior conforto e segurança.

São utilizados curativos? Quantos?

Quando se realiza o procedimento de fratura, o nariz é mantido imobilizado com ou outro material imobilizante, que o recobre totalmente, permanecendo por cerca de 7 a 8 dias, período após o qual é retirado no consultório. Em alguns casos é utilizado o tamponamento nasal, que poderá ser deixado por 24 a 72 horas. Se for realizada a correção simultânea do septo, poderá ser ultrapassado este tempo, com troca de tampões.

Ouvi dizer que o nariz "sangra" nos primeiros dias. Isto é verdade?

Existe um pequeno sangramento, que é normal nas primeiras 48 horas. Isto, entretanto, não deverá ser motivo de preocupação pois um curativo de proteção, sobreposto a abertura do nariz, é conservado propositadamente, a fim de aparar esse sangramento. Esse curativo adicional poderá ser trocado em casa, tantas vezes quanto necessário.

Há dor no pós-operatório?

Raramente. A Rinoplastia apresenta pós-operatório bastante confortável.. Quando ocorrer uma eventual dor, esta é facilmente combatida com analgésicos, que lhe serão receitados como preventivos.

Há perigo nesta operação?

Raramente uma cirurgia de Rinoplastia determina sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que uma viagem de avião ou automóvel, ou mesmo um simples atravessar de via publica.

Em que posição deverei dormir, nos primeiros dias?

Sempre com a cabeça discretamente elevada do leito (travesseiro). Manter-se com a face voltada para cima , sempre que possível.

Quando poderei tomar sol?

Geralmente após o 3º dia pós-operatório, não existe qualquer inconveniente em se expor ao eventual sol da rua. Se a face apresentar equimoses (aquelas manchas características de infiltrado sanguíneo), deverá ser utilizado um cremo foto-protetor FPS 30 na face, evitando-se exposições ao sol diário. Entretanto, para exposições longas (praias, banhos de sol), aconselha-se aguardar um período mínimo de 30 a 45 dias.

Qual a evolução pós-operatória?

Você não deve se esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, diversas fases evolutivas são características deste tipo de cirurgia. Assim é que edemas (inchaço), "manchas" de infiltrado sanguíneo, dificuldade respiratória nos primeiros dias, são comuns a todos pacientes; evidentemente, alguns apresentam estes fenômenos com menor intensidade que outros. Esperamos que você esteja neste grupo. Caso não esteja, não se preocupe. Dê tempo, que seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos que, infalivelmente, chamarão a atenção e alguma pessoa que não lhe poupará a pergunta: "... algo de errado não estará acontecendo?". É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião plástico, e somente a ele, que tem condições de lhe esclarecer e tranqüilizá-lo(a). Em tempo: geralmente existe um período de euforia, logo que se retira o gesso ou o imobilizador (7º dia). Em raros casos, uma discreta ansiedade advém, em decorrência do aspecto transitório do edema e das manchas sanguíneas. Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Tenha paciência. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia estética do nariz deverá ser avaliado antes do 6º mês pós-operatório.

Para finalizar: o resultado da cirurgia estética do nariz compensa?

Evidentemente. A Rinoplastia proporciona grandes satisfações. Lembre-se no que lhe foi dito anteriormente: cada caso é analisado individualmente na 1ª consulta, ocasião em que lhe são esclarecidos todos os detalhes aqui relatados, bem como aqueles que por lapso tenham sido olvidados. Desde que nos decidamos mutuamente a realizar a cirurgia (médico e paciente), é porque o resultado compensa. Caso contrário, deve-se recusar a operação. Esta despretensiosa mensagem foi elaborada com intuito de informá-lo(a) a respeito da Rinoplastia. Através do site da SBCP na Internet, você poderá obter maiores esclarecimentos, se assim o desejar.

RECOMENDAÇÕES SOBRE RINOPLASTIAS

Pré- Operatório

Comunicar-se com seu cirurgião, até a véspera da cirurgia, em caso de gripe, resfriado, coriza ou quaisquer sintomas que afetem a boca, o nariz ou a garganta.
Internar-se no Hospital indicado, obedecendo ao horário estabelecido.
Em caso de internar-se no mesmo dia da operação, comparecer ao hospital totalmente em jejum. Evite bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas, na véspera da cirurgia.

Pós- Operatório

Evitar sol, vento ou friagem nos três primeiros dias.
Trocar o curativo externo tantas vezes quanto necessário.
Cuidados especiais para com o gesso ou o imobilizador: não traumatizar o curativo, evitar a umidade ou a tentação de "retirá-lo para ver como ficou o nariz".
Obedecer à prescrição médica (receita).
Voltar ao consultório p/curativo, no dia e hora indicados.
Não se preocupar com as narinas obstruídas, em caso de estar usando tampões.. Aguarde retirada dos mesmos.
Evitar sol de praia no período de 30 a 45 dias. Poderá, entretanto, expor-se ao sol ocasional de rua, a partir do 3o. dia, desde que obedecidos os cuidados anteriormente descritos.
Não usar óculos, até que seja autorizado(a). Caso seja imprescindível a utilização dos óculos, solicite orientação ao seu médico de como fazê-lo.
Não se preocupar com as formas intermediárias nas diversas fases (o nariz está inchado).
Tire com seu cirurgião plástico quaisquer dúvidas. Evite sensibilizar-se pelas opiniões dos amigos nesta fase inicial.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

correção do queixo

MENTOPLASTIA DE AUMENTO

Cirurgia do Queixo

O queixo (mento) constitui um dos principais pontos de referência no estudo estético da face.

O queixo ideal deverá observar um posicionamento dentro de certos limites estéticos, fazendo um conjunto harmônico juntamente com outros setores como o nariz, olhos, boca, etc.

Poderá se apresentar situado em posição mais avançada ou mais retraída, em relação ao seu posicionamento. Para ambos os casos existem correções cirúrgicas. A Mentoplastia mais comum é aquela que visa corrigir o retro-posicionamento (queixo retraído), através da inclusão de uma peça de silicone. Assim é que infalivelmente certas perguntas serão feitas, merecendo como conseqüência respostas simples e objetivas, tais como:

Onde se localizam as cicatrizes?

Poderá ser feita uma cicatriz interna (dentro da boca) ou mediante uma pequena incisão na parte inferior do queixo. Ficará a critério de cada cirurgião plástico a indicação da cicatriz.

Qual o tipo de anestesia?

Geralmente esta cirurgia é indicada em pacientes adultos. Se se tratar de correção exclusivamente do mento, a anestesia é a local (com ou sem sedação prévia, dependendo do caso). Se associada a outras cirurgias, o cirurgião ponderará quanto à conveniência de se realizar o ato cirúrgico sob anestesia local ou geral.

Como é a peça de silicone que será introduzida?

O cirurgião geralmente modela a peça ou se utiliza de peças pré-moldadas (existem vários tamanhos, que poderia ser apresentadas ao (à) paciente durante as entrevistas pré-operatórias.

O silicone é perigoso? Não poderá ocasionar câncer?

Há mais de 35 anos vem sendo empregado o silicone na forma sólida, em todo o mundo, com milhares de pacientes operados, sem que se tenha assinalado a presença de ação cancerígena do silicone. Trata-se de substância inerte ao organismo e que se mantém em seu lugar de introdução, dentro de uma cápsula fibrosa que o próprio organismo se encarrega de elaborar, logo nos primeiros dias. Raros são os casos de eliminação da peça. Quando isto acontece (geralmente devido a problemas no pós-operatório imediato por infecção, traumatismo sobre a área operada, hemorragia, etc.), retira-se a peça mediante simples cirurgia sob anestesia local, sem ficar qualquer seqüela. Posteriormente poderá ser re-introduzida nova peça. O Silicone, na forma líquida, é condenado para uso médico.

Há dor no pós-operatório?

Geralmente não. Mesmo que ocorra um discreto desconforto, poderemos neutralizá-la com o uso de analgésicos comuns.

E os curativos?

Costuma-se fazer um tipo de curativo local de manutenção com fins de ajudar a manter a prótese fixada. Além do mais, este curativo serve de proteção a eventuais traumatismos que possam ocorrer nos primeiros dias.

Quantos dias deverei ficar de repouso?

Dependendo da atividade, apenas 1 dia. Casos especiais poderão determinar cuidados relativos por 4 a 5 dias, sem contudo necessitar-se de repouso absoluto.

Qual o maior cuidado que se deve tomar antes da operação?

Informar ao seu cirurgião plástico quanto à intercorrência de algum dente, principalmente da arcada inferior, infeccionado ou inflamado. Caso ocorra esta eventualidade, solicite de seu dentista que a trate, antes mesmo de procurar seu médico para a cirurgia de Mentoplastia de aumento.

Minha fisionomia mudará muito com esta cirurgia?

Não deverá ocorrer grandes alterações fisionômicas. Apenas haverá um melhor equilíbrio de sua fisionomia, mantendo suas características individuais.

Esta cirurgia poderá ser associada à Rinoplastia?

Em muitos casos o próprio cirurgião recomenda a associação das duas cirurgias, visando um melhor equilíbrio estético da face.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A MENTOPLASTIA ESTÉTICA

Pré- Operatório

Comunicar-se com seu cirurgião plástico, até a véspera da cirurgia, em caso de viroses, infecções dentárias, afecção da garganta, etc.
Internar-se no hospital ou clínica especializada, no dia e hora indicados na guia de internação.
Em caso de anestesia geral, manter o jejum. Se for anestesia local, permite-se refeição leve até 6 horas antes da cirurgia.
Comparecer acompanhado à internação.

Pós- Operatório

Evitar friagem, sol e traumatismos locais no pós-operatório. Retornar ao consultório nos dias e horários estabelecidos.
Retornar ao consultório nos dias e horários estabelecidos.
Escovar os dentes com escova macia.
Obedecer à prescrição médica.
Não se preocupar com o "inchaço" natural do queixo, que poderá persistir por algumas semanas.
Evitar alimentos sólidos que exijam mastigação intensa nos primeiros dias. Alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos) e vitaminas (frutas).

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

plástica abdominal

DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL

Cirurgia Plástica Abdominal

A leitura destas observações sobre a cirurgia plástica abdominal servirá para esclarecê-o(a) sobre os detalhes que certamente estão lhe interessando no momento. Existem informações errôneas quanto a esta cirurgia, informações essas geradas por casos excepcionais de pacientes operadas por profissionais não habilitadas para tal ou outros que costumam associá-la a intervenções cirúrgicas maiores, na cavidade abdominal, aumentando o risco e o prognóstico pós-operatório.

Deixe que o seu cirurgião plástico escolhido lhe informe sobre a conveniência de associá-la a outra(s) cirurgia(s) e pondere bastante com ele sobre as vantagens e desvantagens de tal associação. Normalmente, as seguintes perguntas são feitas pelos(as) pacientes ao seu cirurgião plástico, por ocasião da consulta inicial:

Quantos quilos vou emagrecer com a Dermolipectomia abdominal?

Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de pele e gordura, evidentemente haverá uma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdome de cada paciente. Não são, entretanto, os "quilos" retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que o abdome mantenha com o restante do tronco e os membros. Paradoxalmente, os abdomes que apresentam melhores resultados estéticos são justamente aqueles em que se fazem as menores retiradas. Assim é que a maioria das mulheres apresentam certa "flacidez" do abdome após 1 ou vários partos, com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região. Estes casos nos permitem excelentes resultados. Em outros casos, em que o paciente está com o peso acima do normal, o resultado também será compensatório e proporcional ao restante do corpo; entretanto, vale a pena lembrar que "excesso de gordura" em outras regiões vizinhas do abdome ainda existirão, o que nos leva a aconselhar àquelas que assim se apresentem a prosseguir com um tratamento clínico ou fisioterápico, para equilibrar as diversas partes entre si.

A cirurgia do abdome deixa cicatriz muito visível?

A cicatriz resultante de uma Dermolipecitomia localiza-se horizontalmente logo acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo do volume do abdome a ser corrigido. Esta cicatriz é planejada para ficar disfarçada sob as roupas de banho (há casos, mesmo em que a própria "tanga" poderá ser usada), e infalivelmente passará por vários períodos de evolução, como se segue:

PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.

PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de "vermelho" para o "marrom", que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?

Na resposta anterior foram feitas algumas ponderações sobre a evolução da cicatriz. Entretanto, resta ainda acrescentar algumas observações sobre o novo abdome, no que tange à sua consistência, sensibilidade, volume, etc.

1- Nos primeiros meses, o abdome apresenta uma insensibilidade relativa, além de estar sujeito a períodos de "inchaço", que regride espontaneamente.

2- Nesta fase, poderá ficar com aspecto de "esticado" ou "plano". Com o decorrer dos meses, tendo-se iniciado os exercícios orientados para modelagem, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado, antes de 12 a 18 meses de pós-operatórios.

É verdade que será feito um novo umbigo?

Não. O seu próprio umbigo será transplantado e, se necessário, remodelado. Deve-se levar em conta que, circundando o umbigo existirá uma cicatriz que sofrerá a mesma evolução da cicatriz inferior (descrita no item nº 02). Várias técnicas existem para a re-implantação do umbigo. Todas elas são passíveis de futuras revisões cirúrgicas, caso venha a ser necessário. Isto acontece em decorrência da anomalia na evolução cicatricial de certas pacientes, e é passível de correção, mediante uma pequena cirurgia sob anestesia local, após alguns meses.

A Dermolipectomia abdominal corrige aquele excesso de gordura sobre a região do estômago?

Nem sempre. Isto depende do seu tipo de tronco (conjunto tórax + abdome). Se ele for do tipo curto, dificilmente será corrigido. Sendo do tipo longo, o resultado será mais favorável. Também tem grande importância, sob este aspecto, a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste essa área do corpo.

Qual o tipo de maiô que poderei usar, após a cirurgia?

O tipo de maiô dependerá exclusivamente de seu próprio manequim. É claro que os decotes inferiores mais "generosos" (tangas) ficarão por conta dos casos em que os resultados sejam mais naturais . Lembre-se que o bisturi do cirurgião apenas aprimora suas próprias formas, que poderão ser melhoradas ainda mais, com cuidados de uma esteticista ou fisioterapeuta, desde que se associe estes tratamentos complementares logo nas primeiras semanas após a cirurgia.

Poderei ter filhos futuramente? O resultado não ficará prejudicado?

O seu médico ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que na nova gestação seu peso seja controlado por aquele especialista. Aconselhamos entretanto, que tenha todos os filhos programados antes de se submeter a uma Dermolipectomia abdominal.

Ouvi dizer que o pós-operatório da Dermolipectomia abdominal é muito doloroso. É verdade?

Não. Uma Dermolipectomia de evolução normal não deve apresentar dor. O que existe é um grande equívoco por parte de certas pacientes, que são operadas simultaneamente de cirurgias ginecológicas associadas à Dermolipectomia e relatam por isso, dores pós-operatórias. Nem todos os cirurgiões costumam recomendar esta associação de cirurgias, por constituírem certo risco operatório, além de apresentam inconvenientes como dores e resultados menos favoráveis.

Há perigo nesta operação?

Raramente a cirurgia de Dermolipectomia traz sérias complicações, desde que realizada dentro de critérios técnicos. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia simultaneamente a outras. O perigo não é maior nem menor que uma viagem de avião ou de automóvel, ou mesmo o simples atravessar de uma rua.

Que tipo de anestesia é utilizada para esta operação?

Anestesia geral ou peridural. Alguns cirurgiões estão empregando até mesmo a anestesia local sob sedação, em casos especiais.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico?

Em média 90 a 120 minutos. Este período poderá ser prolongado, se o caso demandar. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

Qual o período de internação?

De 1 a 3 dias (evolução normal).

São utilizados curativos?

Sim. Curativos especiais, trocados periodicamente pela equipe do cirurgião.

Quando são retirados os pontos?

A retirada dos pontos poderá ser iniciada em torno do 8o. dia, devendo ser feita de maneira seletiva, nos dias que se seguem. Raramente a retirada total passa de 2 semanas.

Quando poderei tomar banho completo?

Geralmente após 3 dias.

Qual a evolução pós-operatória?

Não deve se esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases são características deste tipo de cirurgia. Assim é que, no item 02, foi-lhe informado sobre a evolução cicatricial (até o 18º mês). No item 03, sobre a evolução da forma do abdome, bem como a sensibilidade, consistência, etc. Entretanto, poderá lhe ocorrer alguma preocupação no sentido de "desejar atingir o resultado final antes do tempo previsto". Seja paciente pois seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos intermediários que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma de alguma pessoa que não se furtará à observação: "SERÁ QUE ISTO VAI DESAPARECER MESMO?" - É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Daremos os esclarecimentos necessários, para sua tranqüilidade. Em tempo: Em algumas pacientes, ocorre uma certa ansiedade nesta fase, decorrente do aspecto transitório (edema, insensibilidade, aspecto cicatricial, etc.). Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia do abdome deverá ser considerado como definitivo antes dos 12 aos 18 meses. Em caso de pacientes muito obesas, poderá ocorrer, após o 8o. dia, a "eliminação de razoável quantidade de líquido amarelado" por um ou mais pontos da cicatriz. Este fenômeno nada mais é do que o transudamento cirúrgico e a liquefação da gordura residual próxima à área da cicatriz que está sendo eliminada, sem que isso venha a se constituir como complicação. Existem recursos para evitar que esse vazamento venha a lhe ocorrer em situações inoportunas.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL

Pré- Operatório

Comunicar-se com seu médico até 2 dias antes da cirurgia, em caso de gripe, período menstrual, indisposição, etc.
Internar-se no hospital indicado na guia, obedecendo ao horário de internação.
Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas, na véspera da cirurgia.
Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 10 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos.
Programar suas atividades sociais, domésticas ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente 2 a 3 semanas.

Pós- Operatório

Evitar esforços por 14 dias.
Levantar-se tantas vezes quanto lhe for recomendado por ocasião da alta hospitalar, obedecendo aos períodos de permanência sentada, assim como evitar ao máximo escadas longas.
Evitar molhar o curativo durante a primeira fase.
Não se exponha ao sol ou friagem, por um período mínimo de 2 semanas.
Andar curvada, com ligeira flexão do tronco, e manter passos curtos, por um período de 14 a 20 dias.
Obedecer à prescrição médica.
Voltar ao consultório para os curativos subseqüentes, nos dias e horários estipulados.
Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de olvidar-se que foi operada recentemente. Cuidado! A euforia poderá levá-la a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos.
Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião, e somente com ele, quaisquer dúvidas.
Em caso de pacientes muito obesas, poderá ocorrer, após o 8o. dia, a eliminação de certa quantidade de líquido amarelado ou sanguinolento, por um ou mais pontos de cicatriz. Não se preocupe, porque se isto lhe ocorrer não significa complicação.
Salvo em casos especiais, alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovo) e vitaminas (frutas).
Aguarde para fazer sua "dieta ou regime de emagrecimento", após a liberação médica. A antecipação desta conduta por conta própria, poderá determinar conseqüências difíceis a serem sanadas.<

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

lipoaspiração e lipoescultura

Existe uma certa confusão entre os termos: LIPOASPIRAÇÃO e LIPOESCULTURA. Geralmente são conceituais e pode-se dizer que trata-se de mesma conduta. A Lipoaspiração é o recurso utilizado para a confecção da Lipoescultura (independentemente se realizada somente a retirada da gordura ou a sua re-introdução em outras áreas).

A leitura destas observações sobre a cirurgia de LIPOASPIRAÇÃO e LIPOESCULTURA servirá para esclarecê-lo(a) sobre os detalhes que certamente estão lhe interessando no momento. Existem informações errôneas quanto a esta cirurgia, informações essas geradas por casos excepcionais de pacientes operadas em condições adversas à normalidade. Deixe que seu cirurgião plástico o(a) informe sobre a conveniência de associá-la a outra(s) cirurgia(s) e pondere bastante sobre as vantagens e desvantagens de tal associação. Normalmente, as seguintes perguntas são feitas pelos(as) pacientes ao seu cirurgião plástico, por ocasião da consulta inicial:

Quantos quilos vou emagrecer com a Lipoescultura?

Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de gordura, evidentemente haverá uma redução no peso, que varia de acordo com o volume corporal de cada paciente. Não são, entretanto, os "quilos" retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que cada área determinada mantenha com o restante do tronco e os membros. Assim é que , as mulheres que apresentam certo abaulamento no abdome ou em outras partes do tronco, assim como nos quadris e parte superior das coxas, poderão ter uma pele firme ou eventualmente flácida. A avaliação correta de 3 itens: qualidade da elasticidade da pele, quantidade de gordura e sua localização, nos permitem avaliar o resultado. Há casos, em que o(a) paciente está com o peso acima do normal. Recomendamos um equilíbrio prévio, antes da cirurgia, o que nos leva a aconselhar àqueles(as) que assim se apresentem a prosseguir com um tratamento clínico ou fisioterápico prévio. Existem casos em que retira-se gordura de certas áreas e re-injeta-se esta gordura retirada sob condições assépticas em outras regiões que necessitam aumentar seu volume. Parte dessa gordura poderá se reabsorver. É impossível se prever o percentual de permanência dessa gordura; entretanto, são dedicados cuidados especiais no tratamento dessa gordura, a fim de propiciar maior possibilidade de sucesso.

A Lipoescultura deixa cicatriz muito visível?

As cicatrizes resultantes de uma Lipoescultura ou Lipoaspiração são mínimas, localizadas em diversas partes do corpo, de modo a permitir acesso às áreas a serem operadas. Seu tamanho varia entre 5 a 8 milímetros e são planejadas para ficar pouco visíveis. De toda a maneira, vamos dar uma explicação sobre a evolução de uma cicatriz, seja ela decorrente de esta ou aquela cirurgia. Assim é que:

PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.

PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de "vermelho" para o "marrom", que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo deverá ser feita após este período.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?

Na resposta anterior foram feitas algumas ponderações sobre a evolução da cicatriz. Resta, ainda, acrescentar algumas observações sobre as áreas tratadas, no que tange à sua consistência, sensibilidade, volume, etc. Nas primeiras semanas ou mesmo meses, essas áreas, além de estar sujeitas a períodos de "inchaços", poderão apresentar alguns pontos mais densos que outros. Esses geralmente só são perceptíveis à palpação e tendem a desaparecer após o 3º mês. Com o decorrer dos meses, tendo-se realizado as devidas drenagens linfáticas e os exercícios orientados para modelagem, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado, antes de 6 a 9 meses do pós-operatório.

A Lipoaspiração corrige aquele excesso de gordura sobre a região do estômago?

Geralmente sim. Dependendo do seu tipo de tronco (conjunto tórax + abdome), poderemos ter um resultado bastante natural . Também tem grande importância, sob este aspecto, a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste o corpo.

Qual o tipo de maiô que poderei usar, após a cirurgia?

Fica a seu critério. Seu manequim lhe dirá.

Poderei ter filhos futuramente? O resultado não ficará prejudicado?

O resultado poderá ser preservado, desde que na nova gestação seu peso seja controlado por especialista. Se você voltar ao seu peso anterior e sua pele não apresentar flacidez e estrias decorrentes da gravidez, as formas obtidas serão mantidas. Devemos salientar, entretanto, que o corpo da mulher sofre variações da forma com o decorrer do tempo, devido à disposição da gordura nas diversas áreas corporais, principalmente no abdome, cadeiras e coxas. Assim é que a cada 5 ou 10 anos, a disposição da gordura no corpo muda de pessoa para pessoa. Mesmo assim, aquele excesso retirado nas áreas devidas, sempre lhe proporcionarão uma melhor evolução, mesmo que V. venha a ganhar certo peso.

O pós-operatório da Lipoaspiração é muito doloroso?

Geralmente não. Uma Lipoaspiração ou Lipoescultura de evolução normal não deve apresentar dor, desde que obedecidas as orientações pós-operatórias. Eventuais incômodos são resolvidos com a utilização de analgésicos e anti-inflamatórios.

Há perigo nesta operação?

Raramente a Lipoaspiração traz sérias complicações, desde que realizada dentro de critérios técnicos. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia simultaneamente a outras. O perigo não é maior nem menor que qualquer outra cirurgia eletiva, ou mesmo uma viagem de avião ou de automóvel, e até o simples atravessar de uma rua. Entretanto, é importante levar em conta, que grandes volumes retirados poderão determinar riscos, tanto no ato operatório quanto no pós-operatório. É consenso, na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, que o volume total de gordura a ser retirado por sessão, não ultrapasse a 5 a 7% do peso corporal. Seu cirurgião deverá lhe esclarecer detalhadamente sobre o volume ideal para o seu caso.

Que tipo de anestesia é utilizada para esta operação?

Anestesia geral, peridural ou local assistida.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico?

Dependendo da extensão das áreas a serem tratadas, o tempo varia de 1 a 3 horas, podendo ser ultrapassado em alguns casos. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

Qual o período de internação?

Dependendo da extensão da área aspirada e do tipo de anestesia (local com sedação, peridural, geral ) o período de internação poderá variar de algumas horas até 1 dia.

São utilizados curativos?

Sim. Curativos semi-compressivos com cintas especiais, mantidos por um período de 30 a 45 dias, em média.

Quando são retirados os pontos?

Do 4º ao 7º dia.

Quando poderei tomar banho completo?

Geralmente no dia seguinte à cirurgia.

Qual a evolução pós-operatória?

Você Não deve se esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases são características deste tipo de cirurgia. Assim é que, no item 02, foi esclarecido sobre a evolução cicatricial (até o 18º mês). No item 03 sobre a sensibilidade, consistência, etc. Entretanto, poderá lhe ocorrer alguma preocupação no sentido de "desejar atingir o resultado final antes do tempo previsto". Seja paciente pois seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos intermediários que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma de suas amigas que não se furtará à observação: "SERÁ QUE ISTO VAI DESAPARECER MESMO?" - É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião plástico, e somente a ele, que lhe dará os esclarecimentos necessários, para sua tranqüilidade. Em tempo: Em algumas pacientes, ocorre uma certa ansiedade nesta fase, decorrente do aspecto transitório . Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Lembre-se que nenhum resultado deverá ser considerado como definitivo antes dos 6 aos 9 meses. Condutas complementares em Academias, com esteticistas ou mesmo fisioterapeutas, poderão melhorar bastante o resultado final, pois, a modelagem muscular é um fator de grande importância no novo contorno corporal.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A LIPOESCULTURA / LIPOASPIRAÇÃO

Pré- Operatório

Comunicar-se com seu cirurgião plástico até 2 dias antes da cirurgia, em caso de gripe, período menstrual, indisposição, etc.
Internar-se no hospital indicado na guia, obedecendo ao horário de internação.
Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas, na véspera da cirurgia.
Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 10 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também os diuréticos.
Programar suas atividades sociais, domésticas ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente 4 a 5 dias.

Pós- Operatório

Evitar esforços por 8 dias.
Levantar-se tantas vezes quanto lhe for recomendado por ocasião da alta hospitalar, obedecendo aos períodos de permanência sentado(a), assim como evitar ao máximo esforços máximos.
Não se exponha ao sol ou friagem, por um período mínimo de 1 semana.
Obedecer à prescrição médica.
Voltar ao consultório para os curativos subseqüentes, nos dias e horários estipulados.
Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de olvidar-se que foi operada recentemente. Cuidado! A euforia poderá levá-lo(a) a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos. Vale ressaltar que entre o 3o. e o 5o. dia pós-operatório, poderá haver uma discreta depressão emocional ou mesmo física. Isto é previsto e explicável pela recuperação do seu organismo, em prol da sua fisiologia corporal.
Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com o seu cirurgião plástico, e somente com ele, quaisquer dúvidas que possam advir.
Alimentação normal (salvo em casos especiais). Recomendamos alimentação hiperproteica (carnes, ovos, leite) assim como o uso de frutas.
Aguarde para fazer sua "dieta ou regime de emagrecimento", após a liberação médica. A antecipação desta conduta por conta própria, poderá determinar conseqüências difíceis a serem sanadas.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

aumento de seios

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO

Dúvidas mais freqüentes sobre a Mamoplastia de aumento:

A cirurgia de aumento das mamas deixa cicatrizes?

Felizmente, esta cirurgia permite-nos colocas as cicatrizes bastante disfarçadas, o que é muito conveniente nos primeiros meses. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes infalivelmente passarão:

PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30ºdia e apresenta-se com aspecto pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.

PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período há o espessamento natural da cicatriz, bem como inicia-se uma mudança de cor, da mesma, passando para mais escuro (do vermelho para o marrom) que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente, atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia, no tocante à cicatriz, deverá ser feita após este período.

Onde se localizam as cicatrizes?

Alguns cirurgiões as situam no pólo inferior da mama e no sulco formado entre a mama e o tórax. Outros, na área da aréola, e até mesmo na axila. Desde os primeiros dias pós-operatórios poderá ser usado um "decote bastante generoso", pois, as cicatrizes ficam bastante disfarçadas. Com o decorrer do tempo (vide item anterior), as cicatrizes vão ficando menos visíveis.

Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis.

Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao quelóide. Essa tendência, entretanto, poderá ser avaliada, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe são feitas uma série de perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como a análise das características familiares, que muito nos ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Geralmente, pessoas de pele clara não tendem a esta complicação cicatricial; pessoas de pele morena têm maior predisposição ao quelóide ou à cicatriz hipertrófica. Isto entretanto, não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já o dissemos, nos facilitará o prognóstico cicatricial, assim como a análise de eventuais cicatrizes prévias.

Existe correção para as cicatrizes hipertróficas e quelóides?

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida com o seu cirurgião, que fará a avaliação do estado em que se encontra a cicatriz.

Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência?

As mamas terão seu volume aumentado através da cirurgia, melhorando sua consistência e forma com a intervenção cirúrgica. Assim é que, neste caso, pode-se escolher o novo volume, pois dispõe-se de vários tamanhos de próteses de silicone a serem introduzidas. Deverá existir uma harmonia entre o volume das mamas e o tamanho do tórax, característica esta que deve ser preservada no planejamento da cirurgia. Deverão ser mantidas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax de cada paciente, a fim de se obter uma maior harmonia estética. A mama, assim operada, passará por vários períodos evolutivos:

PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia. Neste Período, apesar das mamas se apresentarem com aspecto bastante melhorado, sua forma e volume ainda estão aquém do resultado planejado. Lembre-se desta observação: NENHUMA MAMA SERÁ "PERFEITA" NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO.

PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 3º mês - Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. São características deste período um maior ou menor grau de "incbaço" das mamas; além disso, o aspecto cicatricial encontra-se em plena fase de transição (ver item 1º). Apesar da euforia da maioria das pacientes, já neste período, costumamos dizer às mesmas que seu resultado ficará melhor ainda, pois, isto será a característica do período tardio.

PERÍODO TARDIO: Vai do 3º até o 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade, etc.) É neste período que costumamos fotografar os casos operados, a fim de compará-los com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância no resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas, bem como o volume da prótese introduzida. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.Vai do 3º até o 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade, etc.) É neste período que costumamos fotografar os casos operados, a fim de compará-los com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância no resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas, bem como o volume da prótese introduzida. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?

Apesar do resultado imediato ser muito bom, somente na fase mencionada como "período tardio" (vide item anterior) é que as mamas atingirão sua forma definitiva.

Qual o tipo de maiô de banho que poderei usar, após a cirurgia?

No período imediato, mediato ou tardio, qualquer tipo de maiô, de 1 ou 2 peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes, os maillots poderão ser mais "generosos" ao seu critério.

No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado?

O seu ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que aquele especialista controle seu aumento de peso na nova gestação. Geralmente não há problema da nova gravidez interferir no resultado, já que a cirurgia é realizada habitualmente "fora do tecido mamário".

O pós-operatório desta cirúrgica é doloroso?

Geralmente NÃO. Este pós-operatório é bastante confortável, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços, nos primeiros dias. Eventualmente poderá ocorrer manifestação dolorosa, que facilmente cederá com os analgésicos receitados pelo seu médico. Evite a auto-medicação.

Há perigo nesta operação?

Raramente a cirurgia plástica de aumento mamário determina sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência ou não da utilização das próteses de silicone, assim como sobre suas eventuais complicações.

Qual o tipo da anestesia utilizada?

Anestesia geral; peridural ou local; dependendo do caso.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico?

Em média de 90 minutos até 120 minutos se necessário for. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

Qual o período de internação?

De meio dia a 24 horas.

São utilizados curativos?

Sim. Curativos elásticos e modelantes, especialmente adaptados a cada tipo de mama. São trocados diariamente pela própria paciente, sem qualquer dificuldade, a partir do 3o. dia pós-operatório.

Quando são retirados os pontos?

Geralmente são utilizados pontos que são retirados até o 8o. dia pós-operatório.

Quando poderei tomar banho completo?

Dependendo do caso, até no dia seguinte à cirurgia. Tudo irá depender da evolução da sua cirurgia, assim como o tipo de curativos, observando-se apenas os cuidados especiais que serão ensinados pelo seu médico.

Qual a evolução pós-operatória?

Você não deve se esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases (vide itens 1 e 5). Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de "desejar atingir o resultado definitivo antes do previsto", não faça disto motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma pessoa que não se furtará à observação: SERÁ QUE ISTO VAI DESAPARECER MESMO? É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu médico, que lhe dará os esclarecimentos necessários para sua tranqüilidade.

Quando poderei retornar aos meus exercícios?

Depende do tipo de exercícios. Aqueles relativos aos membros inferiores, poderão ser reiniciados entre 10 a 15 dias, evitando o "alto impacto". Os exercícios que envolvam o tórax, geralmente devem aguardar além de 30 a 45 dias.

Que vem a ser o endurecimento das mamas (retração da cápsula)?

É uma retração exagerada da cápsula fibrosa normal (que se forma em torno da prótese), que determina certo grau de endurecimento à região, quando palpada. Alguns casos estão sujeitos à tal retração; entretanto, se isto ocorrer , as próteses poderão e deverão ser retiradas, através das mesmas cicatrizes. Em caso de utilização de próteses infláveis, poderá ocorrer, em poucos casos, um certo esvaziamento, o que determinará na reavaliação do caso. Pelo fato das próteses infláveis desenvolverem apenas uma tênue cápsula fibrosa que raramente levam ao endurecimento da mama, em alguns casos pode-se sentir a presença da prótese, palpando-se levemente as mamas. Em caso de esvaziamento, esta palpação poderá ser mais acentuada. Posteriormente, ambos, cirurgião e paciente, poderão ponderar sobre a conveniência ou não da re-introdução de outras próteses , um diferente plano de introdução ou outra conduta que melhor se adapte ao caso. A retração da cápsula ou o esvaziamento da prótese, nunca refletem imperícia do cirurgião, mas sim, um comportamento reacional atípico do organismo das pacientes,devido à presença das próteses de silicone. Não cabe ao cirurgião qualquer responsabilidade em gastos futuros com re-intervenções que porventura sejam necessárias, decorrentes de retrações capsulares, endurecimento das mamas, rupturas tardias das próteses ou seu eventual esvaziamento. Presentemente o número de retrações de cápsula diminuiu bastante, devido ao advento de inovações técnicas introduzidas na cirurgia plástica.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA DE AUMENTO DAS MAMAS

Pré- Operatório

Comunicar-se conosco até a véspera da operação, em caso de gripe, indisposição ou antecipação do período menstrual.
Internar-se no hospital ou clínica indicada na Guia de Internação, obedecendo ao horário estabelecido.
Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas na véspera da cirurgia.
Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja utilizando, por um período de 10 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos.
Programe suas atividades sociais, domésticas, profissionais ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente 4 dias.

Pós- Operatório

Evitar esforços nos 8 primeiros dias.
Não movimentar os braços em excesso. Obedeça às instruções que lhe serão dadas por ocasião da alta hospitalar, relativas à movimentação dos membros superiores ou massagens.
Evite molhar o curativo, até que seja autorizada a fazê-lo.
Não se exponha ao sol ou friagem, até 2ª ordem.
Obedecer à prescrição médica.
Alimentação normal (salvo casos específicos que receberão a devida orientação), a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos) e vitaminas (frutas).
Voltar ao consultório para curativos subseqüentes, nos dias e horários estipulados.
Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de olvidar-se que foi operada recentemente. Cuidado! Esta euforia poderá levá-la a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos.
Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião plástico, e somente com ele, as suas eventuais dúvidas.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

redução de seios

MASTOPLASTIA REDUTORA

Cirurgia de Redução Mamária

É uma das mais comuns, dentre as cirurgias plásticas , pois, além de ser indicada para melhorar o a forma da mama, também é indicada como recurso complementar no tratamento profilático de certas doenças da mama (casos especiais) e como prevenção de problemas causados por mamas muito grandes.

Assim é que, as perguntas mais freqüentes sobre esta cirurgia são:

A cirurgia de redução mamária deixa cicatrizes?

Esta cirurgia permite-nos colocar as cicatrizes bastante escondidas, o que é muito conveniente nos primeiros meses. As cicatrizes passarão, obrigatoriamente, por diversas fases até que se atinja a fase final de maturação. Assim é que temos:

PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto pouco visível Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.

PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 2º mês. Neste período haverá um espessamento natural da cicatriz, bem como uma mudança na tonalidade de sua cor, passando do "vermelho para o "marrom" que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural de cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 8º mês. Neste período a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia das mamas deverá ser feita após este período.

Onde se localizam as cicatrizes?

Dependendo da técnica empregada, poderemos ter variações quanto às cicatrizes. Normalmente existem cicatrizes situadas em forma de "T" invertido, na parte inferior da mama. Aquela situada em torno da aréola fica bastante disfarçada pela própria condição de transição de cor entre a aréola e a pele normal. Outros tipos de cicatrizes, como em "I", "L /J" ou periareolares, são viáveis. Desde os primeiros dias de pós-operatório poderá ser usado um "decote" bastante "generoso", pois as cicatrizes ficam escondidas. Com o decorrer do tempo (vide item anterior), as cicatrizes vão ficando disfarçadas.

Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis. Por que isso acontece?

Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao quelóide. Esta tendência, deverá ser avaliada pelo seu médico, durante a consulta inicial, oportunidade em que lhe são feitas perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como características familiares, que muito ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Pessoas de pele clara não tendem a sofrer esta complicação cicatricial hipertrófica. Cicatrizes de cirurgias anteriores ou mesmo acidentais, ajudam no prognóstico.

Existe correção para cicatrizes hipertróficas?

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir entretanto, o "período mediato" da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida com seu médico e nunca com outras pessoas que, como você, "também estão apreensivas quanto ao resultado final".

Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência?

As mamas podem ter seu volume reduzido através da cirurgia; além disso sua consistência e forma também são melhoradas com a cirurgia. Assim é que, para os casos de redução de volume e levantamento de sua posição, podemos optar por vários volumes, dentro das possibilidades que a mama original nos permita planejar, sem comprometê-la futuramente. Aqui, como no caso do aumento do volume, deverão ser equilibradas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax da paciente afim de obtermos maior harmonia estética. Nessa ocasião procura-se melhorar o aspecto quanto à flacidez e a forma da mama original. As "novas mamas" passam por vários períodos evolutivos, em relação à sua forma:

PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia. Neste período, apesar das mamas apresentarem-se com seu aspecto bem melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado planejado, pois, para que se atinja a forma definitiva ainda existem "pequenos defeitos" aparentes iniciais (inevitáveis em todos os casos), que desaparecem com o decorrer do tempo.Lembre-se desta observação: Seu resultado final somente ocorrerá após o período tardio.

PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 8º mês. Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva o que ocorrerá após o 8º mês. Poderão ocorrer neste período um aumento ou diminuição da sensibilidade do mamilo, além de maior ou menor grau de "inchaço " das mamas; além disso, sua forma está aquém da definitiva. Apesar da euforia da maioria das pacientes, já neste período costumamos dizer às mesmas que seu resultado ficará melhor ainda, pois isto será a característica do 3º período (tardio).

PERÍODO TARDIO: Vai do 8º ao 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade).É neste período que costumamos comparar fotograficamente os casos operados com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância, no prognóstico do resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas bem como o volume conseguido. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.

Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?

Apesar do resultado imediato e mediato satisfazerem bastante às pacientes, somente entre o 8º e 18º mês é que as mamas atingirão sua forma definitiva (vide item anterior).

Qual o tipo de traje de banho que poderei usar após a cirurgia?

No período mediato e tardio qualquer tipo de traje, de uma ou duas peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes os maiôs poderão ser mais "generosos", a seu critério. Nas grandes reduções mamárias, entretanto, a cicatriz horizontal é um pouco mais extensa o que determinará a escolha do maiô que melhor disfarce sua presença.

No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado?

O seu ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que aquele especialista controle seu aumento de peso na nova gestação. Geralmente não há problema, em caso de nova gravidez. Quando se tratar de mamas muito grandes, que foram reduzidas acentuadamente, a lactação poderá ficar prejudicada. Em casos de pequenas e médias reduções a lactação poderá ser preservada. Algumas pacientes poderão apresentar diminuição da sustentação da pele mamária.

O pós-operatório da cirurgia mamária é doloroso?

Geralmente não, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços nos primeiros dias.

Há perigo nesta operação?

Raramente a cirurgia plástica mamária sofre complicações sérias. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia, simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que viajar de avião, automóvel, ou atravessar uma via pública.

Qual o tipo de anestesia utilizada?

Anestesia local , geral, peridural ou associada, a critério do cirurgião.

Quanto tempo dura o ato cirúrgico?

Dependendo de cada tipo de mama, de duas e meia a 4 horas, podendo-se estender um pouco mais, em certos casos.. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

Qual o período de internação?

Meio período a um dia.

São utilizados curativos?

Sim. Curativos elásticos e modelantes, especialmente adaptados a cada tipo de mama. São trocados periodicamente.

Quando são retirados os pontos?

São retirados em torno do 8o. ao 12o. dia, sem maiores incômodos.

Quando tomarei banho completo?

Geralmente, após 2 a 3 dias. Alguns casos poderão determinar cuidados sobre a área operada, sendo que então, recomenda-se evitar o umedecimento sobre essa área por 8 dias.

Qual a evolução pós-operatória?

Você não deve esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases (ver itens "1" e "5"). Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de "desejar atingir o resultado definitivo antes do tempo previsto", não faça disso motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois, seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma pessoa, que não se furtará a observação: "será que isso vai desaparecer mesmo?". É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião que lhe dará os esclarecimentos necessários para sua tranqüilidade.

Quando poderei retornar aos meus exercícios?

Depende do tipo de exercícios. Aqueles relativos aos membros inferiores, poderão ser reiniciados entre 10 a 15 dias, evitando o "alto impacto". Os exercícios que envolvam o tórax, geralmente devem aguardar além de 30 a 45 dias.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA REDUTORA DAS MAMAS

Pré- Operatório

Comunicar-se com seu cirurgião até a véspera da operação, em caso de gripe, indisposição ou antecipação do período menstrual.
Internar-se no hospital indicado, obedecendo ao horário previamente marcado.
Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas na véspera da cirurgia.
Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer de que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 10 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos.
Programe suas atividades sociais, domésticas ou escolares de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente 3 a 5 dias.

Pós- Operatório

Evite esforços nos 8 primeiros dias.
Não movimente os braços em excesso. Obedeça as instruções que lhe serão dadas por ocasião da alta hospitalar, relativas à movimentação dos membros superiores.
Evite molhar o curativo, até que seja autorizada a fazê-lo.
Não se exponha ao sol ou friagem, até segunda ordem.
Siga rigorosamente as prescrições médicas.
Alimentação normal (salvo casos específicos que receberão a devida orientação), a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos) e vitaminas (frutas).
Voltar ao consultório para curativos subseqüentes e controle pós-operatório nos dias e horários estipulados.
Provavelmente você estará se sentindo tão bem a ponto de esquecer-se que foi operada recentemente. Cuidado! Esta euforia pode levá-la a fazer esforços prematuros, o que determinará certos transtornos.
Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião suas eventuais dúvidas.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

peeling facial

Esta conduta, que já foi largamente utilizada pelos cirurgiões plásticos em décadas anteriores, passou por um período de baixa procura. Atualmente tem sido bastante procurada , pelo fato de novos procedimentos terem sido introduzidos (utilizando-se substâncias químicas, recursos instrumentais como Dermoabrasores, Raio-Laser, Radiofreqüência, etc.).

Vários fatores deverão ser levados em consideração, no exame inicial do(a) paciente:

a) Irregularidade da pele e sua causa: seqüela de espinhas, varíola, cicatrizes leves, micro-sulcos, etc.

b) Tipo étnico do(a) paciente: as pessoas de pele morena são mais propícias às complicações tipo "manchas". Dai, a menor incidência de sua indicação em países tropicais (Brasil, etc.).

c) Tipo de atividade profissional do(a) paciente.

d) Presença de fatores locais que contra-indiquem o ato (barba irritável, espinhas ativas, irregularidade na superfície cutânea muito acentuada, presença de discromias em outras áreas, cicatrizes inestéticas, etc.).

e) Motivação do(a) paciente.

f) A Dermoabrasão, Peeling ou Resurfacing poderá ser indicada em 1 ou mais sessões (quando indicadas mais de 1 sessão, recomenda-se certo intervalo entre uma e outra, dependendo das características da pele, assim como a técnica empregada).

g) Poderá ser realizada sob anestesia local ou geral ou mesmo sob sedação (peeling químico).

h) Durante as primeiras fases (período de eritema) é proibida a exposição ao sol, a fim de se evitar o aparecimento de manchas na pele. Esta conduta poderá ser feita simultaneamente em áreas específicas (peribucal, pés de galinha, micro-sulcos peribucais, ou na face total.

i) Tratando-se de conduta que exige o esclarecimento de detalhes sobre o resultado a ser oferecido, normalmente solicita-se dos(as) pacientes que exponham todas suas dúvidas durante a primeira consulta.

j) A relatividade do resultado deverá ser assumida, para fins de decisão da intervenção, pelo(a) próprio(a) paciente, juntamente com seu cirurgião.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

» Radiologia

» Tomografia computadorizada

» Ecografia

» Endoscopia

» Laboratórios de patologia

» Laboratório de análises clínicas


radiologia

Serviço Próprio
Responsável: Dr. Hélio Schulman
X-Leme
Centro de Diagnóstico Água Verde

tomografia computadorizada

O Hospital Ônix adquiriu um moderno aparelho de tomografia computadorizada.
Confira abaixo as orientações para realização dos exames:
Agendamento particular: 41-3017-1200.
Agendamento através de convênio: Entrar em contato com o seu convênio.
Data e horário de funcionamento: Com horário agendado.

ecografia

Responsável: Dr. Edson Gomes Tristão
Dra. Ana Tereza Vacoski
Dr. César Luiz Bonato
Dr. Giovani Cassol
Dra. Gisele Garcia Romero
Dr. Hélio Vacoski
Dra. Marisa Joanita Bandeira
Dra. Viviane Bassette Prochmann

endoscopia

Gastroclínica Santa Quitéria
Clínica Grahal

laboratórios de patologia

Citopar
Patologia Humana

laboratório de análises clínicas

Centro de Diagnóstico Bom Jesus
Cruz Vermelha

Comissão de controle de infecção hospitalar

Desde março de 1999 a CCIH do Hospital Ônix vem concentrando seus esforços para o máximo controle de infecção hospitalar, atualizando e divulgando seus índices, que são mantidos próximos a zero, valores que correspondem às menores taxas dos hospitais gerais de Curitiba.

» O que é Infecção Hospitalar?

» Objetivos da CCIH

» Atividades

» Metodologia

» Dados Estatísticos

» Links


o que é infecção hospitalar?

É toda infecção adquirida a partir de 48 a 72 horas da internação ou com origem em procedimentos hospitalares realizados no paciente, nas dependências de uma unidade hospitalar.


objetivos da CCIH

A CCIH tem por objetivo colaborar na prestação da atenção médica global do paciente, mediante a execução de atividades especiais de prevenção, diagnóstico, tratamento e controle das infecções hospitalares, integrando-se funcionalmente aos outros Serviços Especiais, de Diagnóstico e Tratamento e aos outros setores Operativos e Subsidiários do Ônix.


atividades

Padronização e confecção do manual de normas e rotinas de Controle de Infecção;
Padronização do manual de rotinas de acidentes ocupacionais;
Padronização de anticépticos e germicidas hospitalares;
Padronização de Antimicrobianos;
Realização de busca ativa diária de casos de Infecção Hospitalar;
Padronização das rotinas de zeladoria hospitalar;
Elaboração e implantação do Programa de Controle de Infecção Hospitalar (PCIH);
Realização de índices mensais de Infecção Hospitalar.


metodologia

A CCIH do Ônix emprega a metodologia de vigilância global, através de busca ativa diária de casos de Infecção Hospitalar - IH - em todas as Unidades.

Além desta, a CCIH utilizará a metodologia de vigilância por componentes; a ser implantada na Unidade de Terapia Intensiva de Adultos, baseada na metodologia NISS (National Nosocomial Infection Surveillance System).


dados estatísticos

O Ônix mantêm suas taxas de infecção hospitalares próximas a zero desde a sua inauguração. O balanço anual de 2005, feito pela CCIH teve como resultado uma taxa média global anual de infecção hospitalar de 0,18%, que corresponde às menores taxas de hospitais gerais de Curitiba e Região Metropolitana. Este resultado é o reflexo de um trabalho constante e cuidadoso da nossa Comissão, que prima pela segurança de nossos pacientes, assegurando saúde e bem-estar a todos.

Nutrição é a ciência que estuda os alimentos, os nutrientes que os formam e a ação deles no organismo (absorção, transporte, utilização e eliminação). E o nutricionista é o profissional que aplica a ciência da nutrição para promoção da saúde, auxiliando as pessoas a selecionarem e consumirem os alimentos necessários a seu organismo em todo seu ciclo de vida.

Quais os cuidados nutricionais com o paciente do Ônix?

A alimentação servida no Ônix é completa e altamente nutritiva, supervisionada por uma equipe de hotelaria hospitalar que preza por qualidade e boa nutrição para o paciente, com o objetivo de oferecer a ele uma rápida recuperação e bem-estar.

No Ônix o paciente também recebe orientações de como adotar uma alimentação adequada para suprir suas necessidades diárias e para prevenir ou curar alguns tipos de patologias fisiológicas. Toda a atenção é voltada ao nosso cliente.

» Dicas da Nutricionista do Ônix!

» Nutrição em casa!

» Alguns exemplos de dietas

» Bons hábitos!


dicas da nutricionista do Ônix!



Cuidados nutricionais após intervenção cirúrgica:

Após uma intervenção cirúrgica, é necessário cuidar da alimentação para recuperação mais rápida do organismo, confira estas dicas:

Cirurgia-plástica:

Ingerir muito líquido, de preferência água, fundamental nas primeiras 24h;

Evitar qualquer tipo de alimento gorduroso, muito condimentado e industrializado (salame, maionese, frituras e outros);

Manter uma alimentação equilibrada e rica em fibras, à base de verduras e frutas. Em caso de cirurgia do abdômen, evitar alimentos como cebola, feijão e repolho para evitar flatulência.

Cirurgias gerais:

Sempre seguir a orientação dietoterápica feita pelo nutricionista, a fim de que sejam atingidos os objetivos do tratamento e recuperação considerando também os hábitos e preferências alimentares do paciente.


nutrição em casa!

Para garantir uma alimentação saudável, diariamente você deve ingerir alimentos variados em quantidades adequadas. Freqüentemente, por não saber identificar os grupos alimentares, as pessoas não sabem fazer as variações necessárias, por isso colocamos aqui um resumo de cada grupo para auxiliar sua boa nutrição em casa.

Energéticos: Os alimentos energéticos são compostos por carboidratos, que fornecem energia para o corpo realizar diversas atividades. Fontes: arroz, milho, trigo, batata, mandioca, inhame, pães, massas, biscoitos e outros.

Reguladores: Os alimentos reguladores são as vitaminas e os minerais, eles conservam e fortalecem o sistema imunológico, regulam a digestão, a circulação sanguínea e proporcionam o bom funcionamento dos intestinos, pois são ricos em fibras. Fontes: alface, escarola, agrião, couve,abobrinha, chuchu, cenoura, pepino, mamão, laranja, abacaxi, melão, tomate, abacate e outros.

Construtores: Os alimentos construtores são compostos pelas proteínas, responsáveis pela formação e renovação dos tecidos do corpo, como a pele, os músculos, ossos e outros. Fontes: carne vermelha (bovinos, suínos, etc), carne branca(aves, peixes), ovos, Leite e Derivados: queijos, iogurte, outros.

Energéticos extra: Estes alimentos deverão ser consumidos moderadamente. São compostos por gorduras e açúcares simples. Fontes: óleos, azeites, manteiga, açúcar.


alguns exemplos de dietas

Dieta hipocalórica - para perder peso: Aumentar a dose de alimentos reguladores. Diminuir a dose dos alimentos energéticos e energéticos extra.

Dieta hipercalórica - para ganhar peso: Aumentar a dose dos alimentos energéticos; Manter a dose dos reguladores, construtores e energéticos extra.

Dieta laxativa - para melhorar e/ou aumentar o funcionamento dos intestinos: Aumentar a dose de alimentos reguladores. Aumentar a ingestão de líquidos.

Dieta constipante - para "prender" o intestino: Diminuir a dose de alimentos reguladores; manter a dose dos alimentos energéticos, construtores e energéticos extra.


bons hábitos!

Escolher um lugar tranqüilo e limpo para fazer suas refeições;
Lembrar que a primeira refeição deve ser a mais completa e a última rigorosamente a mais leve;
Comer devagar para facilitar a boa digestão;
Beber no mínimo 2 litros de água por dia;
Fazer exercícios físicos com regularidade (natação, caminhada, ciclismo, etc.);
Dormir no mínimo 8 horas por dia;
Evitar beber líquidos durante as refeições;
Dar sempre um intervalo de 1 hora antes de cada refeição e 2 horas depois;
Buscar sempre a orientação de especialistas ao detectar algum problema ou, de preferência, faça um check-up anualmente para a prevenção de doenças.

A anestesiologia é uma especialidade médica que estuda e proporciona ausência de dor e outras sensações ao paciente que necessita realizar procedimentos médicos, como cirurgias ou exames diagnósticos. No Ônix o procedimento de anestesia é seguro e realizado por profissionais, fique tranqüilo e tire suas dúvidas.

» Quem aplica a anestesia?

» Quais os tipos de anestesia?

» A consulta pré-anestésica

» Qual o risco de uma anestesia?


quem aplica a anestesia?

O anestesista. Ele é um médico, com curso de especialização e treinamento em anestesiologia reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina.

Ele é o responsável por manter as funções vitais do paciente em níveis seguros, sendo o profissional preparado para identificar e tratar de quaisquer alterações que possam ocorrer durante um procedimento. É função do anestesiologista ficar ao lado do paciente durante toda a cirurgia. É por isso que este profissional é chamado de “anjo da guarda”.


quais os tipos de anestesia?

Existem dois tipos de anestesia: a geral e a parcial. A anestesia geral é para o corpo todo; e pode ser aplicada por via intravenosa ou por inalação e permite que o paciente fique totalmente inconsciente durante a cirurgia. Já a parcial, também chamada de regional, é aplicada apenas em uma região do corpo, o paciente pode ficar dormindo ou acordado durante o procedimento, conforme a conveniência.


a consulta pré-anestésica

A consulta pré-anestésica é muito importante, é neste momento que o médico anestesista vai conversar com você, para descobrir se você é asmático, diabético, se é hipertenso, se é fumante, se ingere bebidas alcoólicas, se possui alguma doença grave, se toma remédios, ou se tem problemas alérgicos. Estas informações são necessárias para se planejar a anestesia garantindo que tudo corra bem.


qual o risco de uma anestesia?

Novas medicações, equipamentos modernos, muitos anos de estudos e pesquisas reduziram imensamente os acidentes ou complicações de uma anestesia, mas é claro que eles nunca chegam a zero. O anestesiologista, além do conhecimento e da especialização médica, emprega toda sua perícia e experiência clínica para o sucesso completo da operação a que você está se submetendo.

Para sua maior segurança o Ônix conta com equipe e equipamentos próprios para emergências e cuidados críticos, reduzindo quaisquer riscos.

Não precisa ter medo, no Ônix você está seguro.

Hospital Ônix - Av. Vicente Machado, 2321 • Batel • Curitiba - PR • (41) 3017-1200